Pedido de informação de 2017 ainda sem resposta

No dia 13 de março de 2017, através do protocolo 4708/2017 protocolamos um pedido de informações, baseado em diversas denúncias e dúvidas que surgiram como: pagamento por obras supostamente não concluídas; compra de outros produtos nos postos de combustíveis, cujo valor era transformado em litros de combustível; obras inconclusas; suspeita de funcionário fantasma; suspeita da aplicação de valores de verbas federais em obras que atenderam mais a interesses pessoais em detrimento do interesse coletivo; devolução de verbas federais por aplicação diversa do previsto no projeto original (Pista de Bicicross); denúncias ambientais gravíssimas, enfim 16 perguntas para esclarecer aos nossos leitores referente à aplicação dos impostos que os munícipes pagam. Estamos em setembro de 2020 e buscamos a resposta do pedido de informações nº 4708/2017 abaixo, tudo conforme previsto na Lei 12.527 (Lei de Acesso a Informações Públicas). Lamentavelmente a maioria dos vereadores reeleitos aprovaram, muitas vezes sem nenhum questionamento, obras ou aplicação de recursos, sem realizar uma análise mais criteriosa, tudo para “não ficar mal na foto” e, o resultado está aí: Denúncias gravíssimas que fizemos, por exemplo, do “funcionário invisível” Francisco Xavier Alles, simplesmente não foram sequer investigadas, nem respondidas. Fica uma pergunta: O Protocolo 4708/2017 está todo este tempo com o jurídico e porque ainda não foi respondido? As respostas comprometem a administração? Ou será que existe “terra de baixo dos tapetes”? Com a palavra a prefeita Corinha…

E as investigações?

Ante a inoperância dos órgãos de investigação local que tem por obrigação legal investigar de ofício ou mediante denúncia os fatos gravíssimos apresentados e nada fizeram, apenas arquivamentos e engavetamentos seletivos não restando aos denunciantes outra alternativa que não subir para o andar de cima, ou seja, encaminhar as denúncias ao Ministério Público Federal (MPF). Por conta disso até o “telefone misterioso” já subiu. De agora em diante as dúvidas de ontem podem virar certezas e as certezas dúvidas. Segundo os denunciantes o trabalho foi penoso devido ao alto grau de profissionalismo dos corruptos que montaram uma bem arquitetada rede para comprar a conivência e o silêncio de alguns “a peso de ouro”, além de um sofisticado esquema de desvios de recursos com a participação de “pretensos empresários locais” e pessoas físicas que já estão na mira do MPF. Segundo o ex-vereador Astor Jaime Klein que teve mandato de 1983 a 1988 e presidiu o Legislativo sapiranguense nos anos de 1983 e 1984, naquela época tinha 11 vereadores e quando alguém da situação ou da oposição tinha alguma demanda falavam diretamente com o prefeito em seu gabinete. “Nós tínhamos somente um secretário para atender a todos os vereadores e a coisa funcionava e hoje cada um com dois assessores e uns com um monte de Cc´s e ninguém fiscaliza”, disse Astor.

Diante de tudo isso o que nos resta é acreditar no improvável.

Next Post

Acidente de trânsito na esquina das ruas General Nascimentos Vargas com Visconde de Pelotas

Um grave acidente ocorreu aproximadamente às 07h30 desta terça (29), no cruzamento das ruas General Nascimentos Vargas com Visconde de […]