Profissionais de saúde de Campo Bom recebem orientação sobre amamentação e alimentação saudável na infância

Jornal Opinião

Médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, odontólogos, agentes de saúde e demais profissionais das Estratégias de Saúde da Família (ESFs) de Campo Bom têm recebido orientações sobre amamentação e alimentação saudável na infância. Desde junho e durante todo o mês de julho, nutricionistas da Secretaria de Saúde visitam as unidades e realizam oficinas com o objetivo de que, durante os atendimentos à comunidade, ocorra o incentivo ao aleitamento materno e à alimentação complementar saudável da criança. A ação faz parte da Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil (EAAB), do Ministério da Saúde.

O prefeito Luciano Orsi aponta que o Município trabalha constantemente na capacitação de seus profissionais. “Incentivamos qualificação de nossos trabalhadores da saúde para oferecer um atendimento cada vez mais humanizado e efetivo à comunidade. Com estas oficinas, nossas crianças poderão cada vez mais se desenvolver de forma integral, através da amamentação e de uma alimentação saudável”, declara.

O propósito deste trabalho é incentivar, já nas unidades de saúde, a prática da amamentação até os dois anos de idade e a formação de hábitos saudáveis desde a infância, para que as crianças não recebam alimentos precocemente. O secretário da Saúde, João Paulo Berkembrock, explica que 200 profissionais têm participado das oficinas, e que elas buscam unir todos no mesmo propósito. “Acreditamos no trabalho preventivo, por isso incentivamos uma relação saudável com o alimento desde a infância para que, no futuro, tenhamos uma população saudável”, aponta.

O que diz o Guia Alimentar

De acordo com o Guia Alimentar para Crianças Brasileiras Menores de 2 Anos, do Ministério da Saúde, a recomendação é que crianças sejam amamentadas até dois anos de idade ou mais, sendo que até os seis meses, somente o leite materno deve ser oferecido. Durante a amamentação exclusiva, ou seja, até os seis meses de vida, nenhum outro tipo de alimento precisa ser oferecido, pois além de desnecessário, pode ser prejudicial, porque aumenta o risco de doenças e pode interferir na absorção de nutrientes importantes existentes no leite materno, como o ferro e o zinco. Além disso, em geral a criança só está madura para receber outros alimentos em torno dos seis meses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximo Post

CME Érico Veríssimo - UEF trabalha elementos do texto jornalístico em sala de aula

Os alunos da turma 811, da disciplina de Língua Portuguesa, do Centro Municipal de Educação (CME) Érico Veríssimo – UEF, […]