SMED lança projeto inovador e aperfeiçoa processo de aprendizagem

Jornal Opinião

A Secretaria Municipal de Educação (SMED) acaba de lançar o projeto, ousado, “-(L)imitações +Aprendizagem”, para engajar escolas, secretaria, alunos e professores no objetivo de pensar a intencionalidade da atividade em cada componente curricular, englobando todas as áreas e aprimorando a educação e o processo de aprendizagem. “Em ano de SAEB – Sistema de Avaliação da Educação Básica, muito mais do que preocupados com a nota, queremos que o processo de aprendizagem seja o resultado, estamos preocupados com a qualidade do ensino”, frisa Ana Andrioli, diretora pedagógica da SMED. O SAEB é utilizado para a nota do IDEB, referencial que mede o nível da educação nas escolas.
O projeto consiste na proposta que vem sendo tratada diariamente pelas equipes da Secretaria, que é a de mudar o formato de ensino e a visão a respeito do SAEB. “Em outros anos, fazíamos oficinas voltadas ao público que faz o teste, que são o 5.º e o 9.º ano. Então resolvemos reconstruir esse processo, um trabalho realmente de rede e que deve ser feito desde os anos iniciais, priorizando as atividades pedagógicas em sala de aula. Vamos começar desde a base, reforçando habilidades e competências que precisam ser desenvolvidas sempre, não apenas em ano de avaliação”, explica Ana.

Trabalho individualizado com escolas, direção e professor
Todo o trabalho da Secretaria é voltado para garantir a qualidade da aprendizagem dos estudantes. “Estamos indo nas escolas para conseguir ter o olhar de dentro, observar situações e alinhar estratégias para melhorar, focando não apenas na dificuldade, mas na potencialidade do aluno. Queremos um aluno que vá além, com menos limitações”, salienta Angela Schutz, supervisora pedagógica da SMED.
As reuniões com as escolas servem ainda para salientar que o objetivo não é apenas um número, mas fazer o aluno reconhecer suas dificuldades e aprender de maneira que possa compreender os assuntos de forma completa e integrada, não isoladamente. “Sentamos com o coordenador e pensamos junto com ele sobre a intencionalidade do professor com a atividade proposta. Precisamos saber identificar qual habilidade quero que meu aluno desenvolva”, destaca Angela. Ela ainda enfatiza a importância do engajamento de toda a equipe neste processo. “Todos precisam estar comprometidos para fazermos essa intervenção com o professor. Porque entendemos que o planejamento com essa intencionalidade também faz a diferença”, reforça.
“É muito bacana esse engajamento com as equipes das escolas. Estamos buscando alternativas, de acordo com as dificuldades que apontam no dia a dia. E vimos que esse projeto é uma necessidade. Prezamos pela qualidade e queremos apoiar também o professor, ouvir suas angústias. Sabemos que este projeto terá resultados concretos no longo prazo”, ressalta Ana.

Prova desmistificada se torna mais uma etapa do ensino
A supervisora pedagógica Sarah de Oliveira corrobora a importância do projeto no sentido de mostrar ao aluno e ao professor que todas as áreas são integradas. “A prova contempla apenas o português e a matemática, mas trabalhamos ambos em todas as disciplinas, não somente nas específicas. O projeto veio também para contemplar essa globalização do ensino, para mudar a mentalidade dos próprios professores”, revela Sarah.
Assim, a intenção é também desmistificar a própria aplicação da prova e a forma como é aplicada. “A prova é de assinalar a resposta correta. Vamos trabalhar isso com as coordenações, preparar o aluno para esse momento. É importante termos esse diagnóstico, mas queremos ter a qualidade real do ensino”, salienta Angela.
Um dos objetivos da SMED com o projeto é fazer com que a realização da prova seja um processo natural para o aluno. “Queremos que essa prova seja apenas mais uma etapa. Porque percebemos, por exemplo, na interpretação de texto, há problemas matemáticos que o aluno não sabe o que quer dizer. A conta talvez até saberia resolver, mas não consegue interpretar. Então são várias questões que vamos retomar desde os pequenos”, projeta Ana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximo Post

Em Campo Bom, oficinas escolares de cultura gaúcha estudam costumes trazidos pelos alemães

Aproveitando a proximidade do aniversário da imigração alemã na região, que é comemorado em 25 de julho, nas oficinas ofertadas […]