Campo Bom é o município com mais troféus na fase estadual do 2º Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora

Jornal Opinião

Campo Bom é uma cidade empreendedora e o dia 15 de março de 2022 ficará marcado como mais um em que a afirmação foi validada. As escolas municipais Rui Barbosa, Emílio Vetter, Duque de Caxias e Dona Augusta conquistaram quatro troféus no Prêmio Sebrae de Educação Empreendedora, mostrando que, por aqui, o empreendedorismo também é aplicado nas salas de aula. Na categoria Anos Iniciais do Ensino Fundamental, o pódio estadual foi totalmente ocupado por alunos e professores campo-bonenses: o projeto da Emef Rui Barbosa ficou com o ouro, a Emef Emílio Vetter com a prata e o bronze foi para a Emef Dona Augusta. Nos Anos Finais, a Emef Duque de Caxias levou a prata.

O prefeito Luciano Orsi comemora o reconhecimento recebido pelos professores e estudantes das escolas municipais. “A educação é um dos pilares de Campo Bom e ter nossos projetos premiados confirma que estamos no caminho certo”. “O empreendedorismo é uma marca da gestão do prefeito Luciano Orsi e, desde o início, buscamos levar esta temática para as escolas a fim de incentivar a criatividade e a inovação junto aos alunos”, afirma a secretária de Educação e Cultura Simone Schneider.

Além do prefeito e da secretária, a primeira-dama Kátia Orsi, a presidente da Câmara de Vereadores Gênifer Engers e os professores autores dos projetos finalistas acompanharam o ato de entrega dos prêmios. A secretária da Educação do RS Raquel Teixeira e o diretor-superintendente do Sebrae RS André Vanoni de Godoy entregaram os troféus. A cerimônia contou também com a apresentação de Jayse Ferreira, professor de escola pública em Itambé, município do interior de Pernambuco, vencedor de dois prêmios Professores do Brasil, do Ministério da Educação (Mec), e eleito um dos 50 melhores professores do mundo em 2019 pelo Global Teacher Prize. A ocasião ainda teve show da jovem Luiza Barbosa.

Conheça os projetos campo-bonenses premiados, que agora representam o RS na fase nacional:

Emef Rui Barbosa – Projeto Composteira Doméstica Urbana, desenvolvido por Genilucia Santos de Bracho, Arthur Donschat da Silva e Viviane Jandres da Silva. O aluno Arthur teve a ideia com o objetivo de participar da Feira de Ciências e Tecnologia da escola em 2020. Ele tem vivências familiares com composteiras e, por gostar do assunto, desenvolveu o projeto. O produto final da pesquisa foi uma composteira feita com dois baldes e uma torneira. A repercussão foi grande e surgiram convites para que o aluno apresentasse a ideia de proteção ambiental em outras escolas e municípios.

Emef Emílio Vetter – Projeto Aprendizagem Criativa e os Saberes Científicos no dia a dia Escolar, desenvolvido por Cleiton Rafael Fick, Djenifer Caroline Luz, Carolina Quintana Pinheiro e Elisandra Lemos Winter. O projeto é baseado em metodologias ativas, implementadas pelo Município nas escolas integrais. A proposta é aplicada nas aulas de informática e nas oficinas de aprendizagem criativa, onde acontece a troca de experiências entre o professor de oficina e o professor titular de turma, visando a busca por alternativas para resolver possíveis situações-problemas surgidas no cotidiano escolar.

Emef Dona Augusta – Projeto Aprendizagem Criativa, desenvolvido por Tatiana Cristina Padilha de Oliveira. O projeto visa uma educação “mão na massa”, colaborativa e criativa. A partir do reaproveitamento de materiais recicláveis que iriam para o lixo, juntamente com a curiosidade dos alunos em pesquisar e conhecer os brinquedos usados antigamente, eles foram desafiados a confeccionar brinquedos com materiais que estavam separados em estações de trabalho (garrafas plásticas, tampas, caixas de ovos, pilhas, leds e motores).

Emef Duque de Caxias – Projeto Horta Comunitária Escolar: uma alternativa às famílias em situação de insegurança alimentar, desenvolvido por Michele Capeletti, Gladir Mousquer e Karina Rodrigues da Silva. A ideia de criar a horta surgiu para aproveitar o espaço disponível na escola. A horta foi de grande importância no período mais crítico da pandemia. Com a ajuda de empresários do bairro, que forneceram mudas e insumos, os estudantes produziram alimentos para famílias com dificuldades financeiras. No começo, o trabalho era apenas da turma da professora Michele, mas, pelo alcance social do projeto, toda a escola se envolveu. A produção foi tão significativa que ajudou ainda famílias sem ligação direta com a escola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Próximo Post

Atletas sapiranguenses de parapente têm presença confirmada em campeonato mundial

Dois atletas sapiranguenses participarão da etapa brasileira do Circuito Mundial de Paraglider/Parapente, a Paraglider World Cup. O evento ocorrerá do […]