Gabriel Henrich, do Programa Acolher, defende a seleção gaúcha de handebol em Curitiba (PR)

Jornal Opinião

O Programa Acolher, projeto mantido pela Prefeitura de Campo Bom, terá representante na seleção gaúcha de handebol que disputa a etapa regional do Campeonato Brasileiro de Seleções Cadete Masculino 2022. Trata-se de Gabriel Augusto Henrich, de 15 anos, estudante do Colégio Sinodal Tiradentes. Ele é goleiro e embarca para Curitiba junto a mais 17 atletas nesta quinta-feira, dia 23. Os jogos ocorrem na capital paranaense entre os dias 24 e 26 de junho. O objetivo dos gaúchos é a classificação para a fase nacional da competição, disputada em agosto, no Rio de Janeiro.

O prefeito Luciano Orsi parabeniza Gabriel e diz que este é um dos propósitos do Programa Acolher, ver os alunos alcançando objetivos esportivos. “Além de formar cidadãos íntegros e participativos, há o entendimento de que é necessário e possível oferecer condições para que os estudantes também conquistem sonhos através do esporte”, destaca. “É importante lembrar que nove meninos do handebol do Acolher foram convocados para as seletivas da seleção gaúcha, todos pelo esforço e comprometimento que apresentam nos treinos, o que é o primeiro passo para as conquistas, tanto esportivas quanto pessoais”, observa a secretária de Educação e Cultura Simone Schneider.

Na primeira rodada de treinos do grupo, realizada em março, em Caxias do Sul, nove atletas do Programa Acolher foram convocados. Na segunda etapa, que ocorreu no Ginásio do Cei, em Campo Bom, entre os dias 18 e 19 de junho, quatro jogadores campo-bonenses participaram dos treinamentos. Agora, após a divulgação da convocação definitiva para a disputa do campeonato, Gabriel Henrich é quem leva o nome de Campo Bom para as quadras país afora.

Descrição da imagem: Gabriel Henrich é o terceiro da direita para a esquerda e segura uma bola de handebol vermelha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Próximo Post

70 anos depois, mais de 100 fósseis são encontrados em sítio paleontológico perdido no RS

Paleontólogos de três universidades do Rio Grande do Sul reencontraram um sítio fossilífero “perdido” por mais de 70 anos nas […]