Campo Bom realiza aula inaugural do curso de defesa pessoal para mulheres

Jornal Opinião

Campo Bom oferece aulas de defesa pessoal para mulheres em situação de vulnerabilidade social. Entre relatos emocionados de quem já faz as aulas do projeto Elas Por Elas da Polícia Civil em Novo Hamburgo e falas de gratidão de quem está envolvido, na segunda-feira, dia 20, ocorreu a aula inaugural do curso. A iniciativa foi da primeira-dama Kátia Orsi, que, junto da vereadora Gênifer Engers e da Administração Municipal, angariou meios para a aderência do Município ao projeto. Cerca de apenas um mês após visita à idealizadora da iniciativa, delegada Raquel Peixoto, titular da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Novo Hamburgo, feita junto do secretário de Segurança e Trânsito Rosalino Seara, contando com apoio da Delegacia de Polícia local por meio do delegado Clóvis Nei da Silva, a ideia já se tornou realidade. “É o pontapé inicial de um projeto muito desejado e planejado por nós. Uma forma de garantir a autodefesa e mais do que isso, trazer mais confiança para essas mulheres. Não construímos nada sozinhos, e com a união de forças da Prefeitura, do Legislativo e dos órgãos de segurança pública, conseguimos construir algo muito maior. O agradecimento é para todos que, de alguma forma, ajudaram na realização, em especial à idealizadora delegada Raquel”, pontua a primeira-dama Kátia Orsi.  Com a abertura oficial, as aulas já iniciam em janeiro, de forma totalmente gratuita, com professores voluntários.

Em sua fala, Gênifer sensibiliza: “Precisamos desse olhar solidário, de um olhar para aquelas mulheres que necessitam de um carinho, de uma palavra amiga; e por quê não de um tatame, também!? Essa é a maneira que encontramos para que elas tenham um recomeço”. Já a delegada Raquel, que foi homenageada com flores na ocasião, comemora a implantação do projeto em mais uma cidade. “Tudo começou como um pedido das próprias mulheres. Elas não queriam apenas uma medida protetiva, queriam aprender a se defender de uma agressão. Seja agressão doméstica, tentativa de estupro ou assalto. Hoje, com muito orgulho, inauguramos o projeto também em Campo Bom”, disse. Ainda teve um momento para os futuros professores do projeto escolheram voluntárias e fizerem uma demonstração do que será ensinado durante as aulas.

Também participaram da solenidade, representando as secretarias engajadas no projeto o secretário de Desenvolvimento Social e Habitação Gabriel Colissi, o secretário de Esporte e Lazer João Carlos e Silva, e a chefe de gabinete Pâmela Ritter.

Pioneirismo no atendimento à mulher

Defender os direitos da mulher é uma questão de cidadania, aponta o prefeito Luciano Orsi. “Sabemos da importância das medidas de proteção à mulher. Demos um grande passo em março de 2020, quando inauguramos a Sala das Margaridas de Campo Bom, mas não paramos nisso. As políticas públicas devem avançar neste sentido e é o que fizemos com mais esta ação”, afirma. Ele acrescenta: “Isso representa a efetivação de uma vontade pessoal de muitos para fazer algo a mais, não somente o que está escrito nas nossas obrigações, mas o que nos alegra o coração e traz benefícios para outas pessoas”.

O delegado Eduardo Hartz, diretor da Polícia Civil no Vale do Sinos, destacou que a nova implementação se soma ao pioneirismo da cidade quando instituiu a Sala das Margaridas. “Campo Bom foi pioneira, porque essa sala foi idealizada apenas para os municípios que tem DPDAs (Delegacias de Polícia de Pronto Atendimento). Quando iniciamos a implementação nessas unidades, o delegado de Campo Bom Clóvis Nei da Silva logo demonstrou interesse em trazer para sua cidade também”, relatou. Silva ressalta: “Para nós têm sido uma grande experiência e o retorno é muito favorável, por termos um espaço dedicado especificamente a esses atendimentos, sempre contando com o apoio da Administração Municipal”. 

O secretário Seara reconheceu o esforço movido por Kátia e Gênifer. “Somente com a união desses esforços, que levaram a intenção à frente, sensibilizando os órgãos de segurança para que nossa cidade contasse com o projeto, que a realização foi possível. Além disso, contamos com a importante participação da Delegacia de Polícia local, por meio do delegado Silva, que abraçou a ideia de acrescentar mais este serviço à DP”, comentou. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Próximo Post

Ainda há vagas para trabalhar no IBGE 2022

Em nota o IBGE informa que há vagas em aberto para trabalhar no Censo 2022 nas cidades de Araricá, Igrejinha, […]